4003-3219ATENDIMENTO EM TODO BRASIL COM LIGAÇÃO LOCAL - CAPITAIS E REGIÕES METROPOLITANAS
Central de atendimento: (11) 2591-2900 CENTRAL DE ATENDIMENTO.
logo do portal bolsas de estudo

Veja ao lado todas as cidades que oferecemos bolsas de estudo.

Selecione:

Cientistas chineses comprovam eficiência do café para redução de tumores de próstata em ratos

Cientistas chineses comprovam eficiência do café para redução de tumores de próstata em ratos

Bebedores inveterados de café...podem começar a comemorar!

A sua bebida favorita – de acordo com um grupo de cientistas chineses – pode ser a esperança de novas terapias oncológicas.

Para chegar a tal conclusão, os pesquisadores utilizaram dois compostos presentes no grão de café para tratar ratos com tumores de próstata.

E não é que, depois que entraram em contato com o bom e velho substrato, os roedores tiveram o crescimento de seus carcinomas diminuído?

Pois é! E tal resultado foi observado – principalmente – quando as duas moléculas foram usadas em conjunto.

É para celebrar, não?

Já não basta ter aroma convidativo e sabor prazeroso, o café, agora, também pode ser medicamento contra determinados tipos de câncer? 

Oba!

É, mas saiba que não se trata, assim, de uma compleeeta novidade. O café é um dos alimentos mais estudados quanto aos efeitos que pode provocar no organismo e já se mostrou bem eficiente no combate e na prevenção de algumas doenças.

Bom, né?

Excelente! Mas antes que você decida comemorar esta notícia querendo “nadar em uma piscina de café” cabe lembrar a eterna validade do bom e velho conselho: tudo que é em excesso pode, sim, fazer mal. 

Se, por meio de doses diárias, o café pode evitar problemas de saúde (como a insuficiência cardíaca), contribuir para o combate à depressão e para a melhora da memória, além de ajudar no emagrecimento (visto que auxilia no aceleramento do metabolismo), consumido em excesso pode causar azia constante e contribuir para o desenvolvimento de gastrite e úlcera.

Ou seja, pode continuar tomando seu benéfico cafezinho, sim! Maasss, vá devagar aí com a velocidade dessa xícara / desse copo!


[Fonte: Correio Braziliense // Ciência e Saúde]