4003-3219ATENDIMENTO EM TODO BRASIL COM LIGAÇÃO LOCAL - CAPITAIS E REGIÕES METROPOLITANAS
Central de atendimento: (11) 2591-2900 CENTRAL DE ATENDIMENTO.
(11) 94555-0023 WHATSAPP
logo do portal bolsas de estudo

Veja ao lado todas as cidades que oferecemos bolsas de estudo.

Selecione:

O segredo do homo sapiens que venceu a seleção natural da raça humana? O desenvolvimento da habilidade de transmitir emoções com as...sobrancelhas!

O segredo do homo sapiens que venceu a seleção natural da raça humana? O desenvolvimento da habilidade de transmitir emoções com as...sobrancelhas!

Se prepare para receber uma daquelas notícias que vão mudar – para sempre – a sua vida: arqueólogos da Universidade de York descobriram que, na escala da evolução humana, à medida que o ser humano decidiu abandonar a força bruta (pelo menos alguns deles) e investir nas relações sociais para sobreviver, a seleção natural viabilizou que....atenção!...sobrancelhas expressivas e cheias de músculos pudessem revelar emoções sutis, com apenas um olhar.

Tá achando que é brincadeira?

Não é não!

O assunto está em um artigo científico publicado pela revista Nature.

Por meio de simulação de computador, usada para alterar o tamanho do supercílio dos nossos (vamos lá...) tatara tatara tataravós (entendeu, né?), o pesquisador português Ricardo Godinho e sua equipe conseguiram comprovar tal hipótese.

De acordo com o referido estudo, a testa de ferro dos hominídeos pré-históricos não tinha qualquer influência biomecânica sobre a força da mordida ou a posição dos globos oculares.

E tem mais! Ficou mais do que provado que, dentre nossos antepassados, aqueles que “chegaram bem” na corrida pela vida só realizaram o feito porque se empenharam em aprender “a bater papo” e pedir ajuda.

Como eles conseguiram fazer isso?

Utilizando as tão características (enormes e assustadoras) sobrancelhas arqueadas para...transmitir emoções!

Viu aí?

Desde tempos remotos estes pelinhos que todos nós temos em cima dos olhos são fundamentais para as relações sociais.

Você podia imaginar uma coisa dessa?


[Fonte: Revista Superinteressante]